Bilionário morre afogado e deixa "perdida" fortuna de R$ 11 bilhões em criptomoeda

O romeno Mircea Popescu, 41, morreu afogado em poucos segundos, na Costa Rica, em junho deste ano, levando consigo um segredo: as chaves para acessar uma fortuna estimada em US$ 2 bilhões (cerca de R$ 11 bilhões) em criptomoedas que, agora, pode ficar num limbo para sempre.

Ele foi arrastado por uma correnteza e morreu praticamente na hora. A companheira dele identificou o corpo pouco tempo depois.

Pioneiro do bitcoin, Popescu era conhecido como a "mente brilhante" no mundo das criptomoedas. Foi ele quem deu forma ao livro Bitcoin Standard, a “Bíblia” para entender a moeda digital na sociedade.

Sem “papas na língua”, Popescu foi apelidado de pai da "toxicidade do Bitcoin", fazendo referência à comunidade de usuários da criptomoeda que é "tóxica". Mas, ele se definia mesmo "filósofo do bitcoin" e partidário dos sistemas de código aberto.

- Para que qualquer parte de um governo discuta qualquer questão relacionada ao bitcoin, esse governo terá que reconhecê-lo primeiro - escreveu ele.

Apesar de todo o conhecimento que conseguiu do bitcoin, a verdade é que Popescu não conseguiu transferir o valor através do tempo e do espaço. O problema é que ninguém pode acessar a fortuna do bilionário sem a chave e senha de acesso. E, assim, o valor pode se perder pra sempre.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários