Ganhador do Prêmio Pulitzer, fotógrafo morre no Afeganistão

O fotógrafo indiano Danish Siddiqui, da agência Reuters, morreu, nesta sexta-feira (16), quando fazia a cobertura de um confronto entre forças de segurança do Afeganistão e combatentes do Taliban, perto de uma passagem de fronteira com o Paquistão.

As forças especiais do Governo Afegão tentavam retomar a importante área comercial de Spin Boldak, quando o fotojornalista e outra autoridade afegã de alto escalão foram mortos num “fogo cruzado” do Taliban.

Siddiqui acompanhava, desde o início desta semana, o confronto em Candahar, uma província do Sul.

- Estamos buscando informações urgentemente, trabalhando com autoridades da região - disseram o presidente da Reuters, Michael Friedenberg, e a editora-chefe, Alessandra Galloni, em um comunicado.
- Danish era um jornalista excepcional, um marido e pai dedicado e um colega muito querido. Nossos pensamentos estão com sua família neste momento terrível - acrescentaram os executivos.

Pouco antes de ser alvejado, fatalmente, Siddiqui informou à Reuters que havia sofrido um ferimento de estilhados no braço na manhã desta sexta-feira. Ele foi tratado e voltou a trabalhar. O fotojornalista conversava com lojistas, quando o Taliban atacou novamente e o feriu, mortalmente.

Funcionário da Reuters desde 2010, Siddiqui fez parte da equipe de fotógrafos da agência que venceu o Prêmio Pulitzer de 2018 de Fotografia por documentar a crise dos refugiados rohingya.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários