O guitarrista que tocava sem os dedos

Esta semana, no dia 13 de julho, foi o Dia Mundial do Rock e, para comemorá-lo, aí vai uma curiosidade: Anthony Frank Tony é um guitarrista britânico, cofundador da banda de metal Black Sabbath, considerado um dos maiores compositores de todos os tempos e o 25° melhor guitarrista da sua geração, segundo a revista norte americana Rolling Stone.

A banda é considerada o “pai do Heavy Metal” e conta com mais de 100 milhões de discos vendidos durante a trajetória. Todavia, nem sempre foi tudo “um mar de rosas” para os integrantes, em específico, para Tony Iommi, como costuma ser chamado em no meio artístico.

Desde os 17 anos de idade, Tony já tocava em bandas e, por não serem muito famosas, ele precisava trabalhar em uma fábrica de chapas de metal. Mas, felizmente sua banda na época, “The Bird and the Bees”, faria uma turnê por toda a Europa e Tony estava muito eufórico por não precisar mais exercer outros ofícios.

Assim, no seu último dia trabalhando na fábrica, o rapaz não conseguia se concentrar em mais nada que não fosse no desejo de tocar nos palcos. Por conta da ansiedade extrema, Tony se distraiu enquanto trabalhava, fazendo com que uma das prensas cortasse seus dois dedos fora: o médio e o anelar.

Rapidamente, ele tirou sua mão de dentro da máquina e, logo, pode ver os ossos expostos. Tony é canhoto na guitarra e perdeu, justamente, os dedos da mão direita, fazendo com que ficasse impossibilitado de tocar e participar da turnê.

- Achei que não fosse tocar nunca mais. Fiquei muito triste - recorda Tony Iommi.

Após o acidente, o músico entrou em uma profunda depressão, ainda mais ouvindo de parentes e amigos que sua carreira estava acabada.

Ao vê-lo em uma situação deplorável, um colega de trabalho de Tony o presenteou com um disco de jazz. Anthony, mesmo muito cabisbaixo e desacreditado com o mundo da música, aceitou o LP e notou que o disco retratava a vida de um guitarrista que tocava apenas com dois dedos. Seu nome? Nada menos que Django Reinhardt.

Esse “encontro” com Django foi um “fôlego de vida” em Tony e levantou a autoestima do rapaz, recuperando a ambição perdida. E, assim, Tony voltou a tocar guitarra com a ponta dos dedos machucada e deformada, o que o fazia sentir muita dor. Para contornar o problema, Anthony usava dedos de plástico para poder tocar. Além de utilizar cordas mais finas; para que o instrumento se tornasse mais confortável.

Com movimentos em cordas mais finas, Tony Iommi criou uma sonoridade única, bastante pesada, bem característica do metal. Sendo assim, o roqueiro perdeu os dedos mas, se aproveitou da tragédia para originar um abrangente e diferenciado estilo no Rock, mostrando as consequências de perseverar atrás de seus sonhos.

Texto: Pietra Pavarotti

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários