Rockfeller, o homem com 1 trilhão de dólares

John Davison Rockfeller foi um magnata dos negócios e filantropo americano. Nasceu em 8 de julho de 1839, em Nova Iorque. Por conta das façanhas que seu pai cometia, ele, sua mãe e seus seis irmãos tinham de se mudar constantemente de cidade, na busca por condições melhores de vida. E, assim, desde cedo, já sabia que não poderia contar com a ajuda de seu pai nas despesas domésticas, então vendia os doces que sua mãe produzia, dando uma renda a mais para o lar.

Vender doces nas ruas ensinou o menino a dar os primeiros passos nas técnicas de negociação e vendas. Já dentro de casa, a educação do jovem Rockfeller pairava entre uma mistura desbalanceada: enquanto a mãe ensinava-lhe os bons valores cristãos e a importância do trabalho duro, o pai, nas poucas vezes que se fazia presente no lar, treinava o garoto em métodos de como enganar as pessoas.

Ciente de que precisava ajudar nos proventos de casa, aos 12 anos, Rockfeller emprestava dinheiro a seus amigos, cobrando juros de 7% ao ano. Seus conhecidos o descreveram como uma criança séria, quieta e muito estudiosa, apresentando aptidão para a matemática. Porém, ainda com 14 anos, mais uma vez, John foi obrigado a se mudar de cidade, após seu pai ter se envolvido em um escândalo devido aos golpes que dava.

Foram para a cidade de Cleveland, em Ohio, onde uma recente ferrovia havia sido construída, trazendo bastante desenvolvimento; já que havia uma série de indústrias de vestuários e manufaturados. Logo, começaria a envolver um novo produto que mudaria a história local: o petróleo. Assim, no dia 26 de setembro, com apenas 16 anos, ele conseguiu seu primeiro emprego e, por conta de seu talento no ramo de negócios, foi subindo na empresa, Hewitt e Tuttle.

Quatro anos mais tarde, ainda com o rígido e organizado hábito de anotar todos os seus gastos em um diário, conseguiu dinheiro o suficiente para fundar sua própria empresa, ao lado de um sócio. Uma empresa mercantil que trabalhava com grãos, carne e fano. Já no primeiro ano da empresa, o negócio havia lucrado 450 mil dólares, uma grande mudança em comparação aos anos de pobreza. Mas, Rockfeller era ambicioso e astuto e, percebeu, rapidamente, que empreendimentos envolvendo o petróleo dominariam o país.

Então, em 1863, com 24 anos de idade, John e alguns colegas abriram uma refinaria perto da cidade de Pittsburgh e, em apenas dois anos, já era reconhecida pelas redondezas como a melhor da cidade.

Em 1865, ele comprou a parte da empresa de seus sócios e a batizou de Rockfeller and Andrews e, cinco anos mais tarde, trouxe novos sócios culminando na Standard Oil Company. Mas, ainda não era o suficiente para John Davison, que começou uma série de aquisições e, em pouco tempo, a empresa dele tinha o controle de quase todas as refinarias de Cleveland.

Passaram-se os anos e, em 1882, ele já tinha o controle de 90% de todas as refinarias e óleo dutos dos Estados Unidos. Sem notar o grande talento do conterrâneo, os jornais americanos - aliados a políticos desonestos - o atacavam, seguidamente, na mídia; afirmando que Rockfeller era uma espécie de “Modelo de ganância corporativa.

Dessa forma, a mídia se tornou seu maior obstáculo, acusando-o de subornar funcionários das concorrentes para espionar e esamagar empresas rivais.

Rockfeller passou a ser visto com maus olhos pelo Congresso americano e pelo público. E, em 1890, o parlamento aprovou a Lei Sherman, proibindo combinações que restringiam o mercado.

As empresas do magnata foram dissolvidas, mas sua fortuna não foi atingida. Em 1916, ele foi considerado o primeiro bilionário do mundo, com estimativas afirmando que a Standard em seu momento mais glorioso valia 1 trilhão de dólares.

Aos 56 anos, já aposentado, deixou de liderar os negócios e passou a investir em empreendimentos de caridade, consequência dos bons valores aprendido com sua mãe, sendo lembrado como um evangélico batista devoto. Rockfeller era muito religioso e sua ligação era tão forte com o seu Deus que, desde o seu primeiro salário, ele sempre separava o dízimo para sua igreja.

Em vida, o bilionário doou o equivalente a 500 milhões de dólares para instituições voltadas para a educação, ciência e religião. Em maio de 1937, termina a grandiosa história do magnato. John Davison Rockfeller morre, aos 97 anos de idade. Sua fortuna, na época, representava 1,2% da economia dos Estados Unidos, o que equivale a 340 bilhões de dólares, atualmente.

Entre as frases e ensinamentos célebres que o norte-americano deixou, ele disse:

- Eu não creio que exista qualquer outra qualidade tão essencial ao sucesso quanto a perseverança -

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários