Mozart, o grande gênio musical

Wolfgang Amadeus Mozart foi um dos maiores compositores da música clássica e, até hoje, é considerado um dos principais nomes da música erudita.

Nascido em 1756, na Áustria, a família dele teve grande influência na formação do pequeno gênio. O pai, Leopold Mozart, era músico também e o incentivou desde cedo a seguir o mesmo caminho.

Desde pequeno, sempre teve uma memória invejável e, por isso, conseguia memorizar uma sonata ouvindo a letra apenas uma única vez. Foi precoce. Aos 4 anos de idade, o pequeno Mozart conseguia aprender uma melodia no piano em apenas 30 minutos. Aos 6, passou a compor. Aos 8, escreveu sua primeira sinfonia e, aos 11 anos de idade, compôs sua primeira ópera.

Durante a adolescência, a família de Mozart viajou para Roma e, lá, aconteceu a primeira pirataria musical da história. Aos 14 anos, o menino conseguiu memorizar uma música que era guardada a sete chaves pelo Vaticano, tocada apenas na missa de Páscoa, Allegri Miserere. Enquanto ouvia a canção, o pequeno prodígio conseguiu memorizá-la sem dificuldades e, assim que chegou em casa, a transcreveu inteira para o papel.

Amadeus não tinha nada de interessante em sua aparência física. Ele era magro, pele pálida e de baixa estatura. Mas, sua personalidade era chamativa e excêntrica, um tanto inconveniente às vezes. Conhecidos descreviam seu senso de humor, totalmente, inapropriado para um ambiente de corte; onde costumava tocar. Existem diversas cartas escritas pelo artista e, nelas, não faltavam piadas e comentários vulgares.

- Perdão, Majestade. Sou um homem vulgar. Mas, lhe garanto que minha música não é.” (Frase da cena do filme, Amadeus)

Um ano após ter se mudado para Viena, casou-se com Constanze Weber, que também vinha de uma família de músicos. Tanto ela como suas irmãs eram cantoras. Sendo assim, boa parte das composições de Mozart foi inspirada por amor. Ele adorava demonstrar seus afetos por meio de suas músicas. Contudo, o casamento dos dois teve forte oposição do pai de Mozart, que acreditava que o amor que seu filho sentia pela moça apenas atrapalharia a carreira do filho. Além disso, apenas dois de seus seis filhos sobreviveram até a fase adulta.

Em 1791, aos 35 anos, Mozart morre. A mulher dele morreu 45 anos mais tarde e passou os últimos anos de vida defendendo e promovendo a obra do marido falecido. Assim, pouco tempo depois da estátua de Mozart ter sido inaugurada em Salzburgo, Constanze falece.

O grande gênio da música erudita, mesmo ostentando uma vida de luxo; passou muitos anos de vida imerso em uma profunda depressão; o que atrapalhou sua produção musical e, consequentemente, interferiu em sua remuneração. Para piorar, a Áustria havia entrado em guerra, fazendo com que a demanda por música e entretenimento entrasse em declínio; agravando ainda mais a situação do músico. Então, o grande compositor morreu jovem e, completamente, afundado em dívidas.

Entrou para a história a causa da morte de Mozart. Mas, o público soube aproveitar a falsa rivalidade que existia entre Mozart e outro compositor: Antonio Salieri, afirmando que o “rival” o teria mandado envenenar.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários