Olympia, o cinema mais antigo do Brasil

Apesar de ficar no extremo Norte do Brasil e ter sido fundada muitos anos depois que outras capitais brasileiras (janeiro de 1616), Belém do Pará foi a cidade que abrigou o primeiro cinema do Brasil.

O espaço foi inaugurado em 24 de abril de 1912 pelos empresários Carlos Texeira e Antônio Martins, donos do Grande Hotel e Palace Theatre, e batizado por eles como Cine Olympia.

Sim, já são 109 anos de história e o cinema continua intacto, no centro da “Cidade das Mangueiras”. Ele foi criado para receber a elite que residia em Belém, durante o “Ciclo da Borracha”. O momento mais glorioso e cheio de charme da capital paraense foi chamado de Belle Époque, tanto do pondo de vista econômico quanto cultural.

Para se ter uma vaga ideia da fortuna que circulava na cidade, os filmes apresentados no Cine Olympia vinham direto da Europa para o Estado e apenas as pessoas com boas condições financeiras conseguiam desfrutar da inovadora forma de entretenimento. As belas damas paraenses da época faziam questão de esbanjar seus longos e detalhados vestidos, enfeitadas com chapéus e luvas da moda parisiense.

Quanto aos homens, também faziam questão de usufruir do momento à caráter. Eles estreavam seus belos ternos preto e branco, com cartolas ou chapéus e bengalas. Filmes como “Tarzan” e “E O Vento Levou” foram nomes de grande sucesso na bilheteria do Pará e tiveram bastante influência no comportamento das pessoas e na forma como se vestiam.

Mas, o cinema que havia sido muito visitado na Belle Époque, durante os anos 40 aos 60, perdeu um pouco do brilho. O problema foi agravado com o passar das décadas e o surgimento de novas salas de cinema em shoppings construídos ao longo da cidade.

A concorrência foi tanta que quase chegou a fechar as portas em 2006. Só não encerrou as atividades naquele ano porque admiradores da história do lugar, artistas e cinéfilos se uniram para uma manifestação pacífica em prol da manutenção do cinema. A prefeitura deu ouvidos e transformou anos de história em um espaço cultural da cidade.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários