Por vazamento ilegal de dados, Mayra Pinheiro aciona STF contra a CPI da Covid-19

A Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde do Governo Bolsonaro, a médica Mayra Pinheiro, anunciou que entrará com uma petição no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 por ter tido dados sigilosos sobre ela vazados pelo colegiado.

A médica acusou os senadores pertencentes ao G7, cúpula da CPI, de divulgar seus dados pessoais em e-mails privados.

- O que os senadores estão fazendo é divulgar e-mails privados, com dados pessoais. Isso é um crime!! É descumprimento de uma medida cautelar que foi dada a mim, enquanto depoente. Além disso, divulgaram informações falsas - disse, indignada, a Secretária de Saúde.

O Supremo autorizou a quebra de sigilo de Mayra Pinheiro, mas determinou que os dados fossem mantidos confidenciais. Porém, a médica notou que, após os políticos entrarem em recesso, informações privadas, incluindo um documento de identidade com número oficial de registro, foram vazadas.

- O documento assinado pelo ministro Ricardo Lewandowski proíbe que qualquer e-mail ou documento sigiloso seja divulgado antes do término da CPI - lembrou, acrescentando que participou da CPI como convidada. Mas, em certo momento de ânimos acirrados durante o seu depoimento, a médica teve seus sigilos telefônico e telemático quebrados a pedido da Comissão.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários