Shakespeare, o maior dramaturgo da literatura universal

William Shakespeare nasceu em 23 de abril de 1564, no Reino Unido. O pai dele era John Shakespeare, um comerciante de lã e tesoureiro. A mãe se chamava Mary Arden.

William iniciou os seus estudos em sua cidade natal, Stratford- Upon- Avon. Mas, aos 13 anos, a família empobreceu. Então, o menino precisou ajudar na renda familiar trabalhando no comércio do pai. Mais tarde, com 18 anos, casou-se com a aldeã Anne Hathaway, que era nove anos mais velha que ele. Após cinco meses de casamento, nasce a primogênita Susan e, em seguida, os gêmeos Judith e Hamnet.

Nesse período de sua vida como chefe de família, ele já escrevia versos e assistia a todas as representações de companhias que chegavam em sua cidade. Porém, o jovem inglês, por conta das más amizades que tinha, foi obrigado a deixar tudo e se mudar para Londres. Lá, ele exerceu diversos ofícios como o de guardador de cavalos para a pessoas de alta classe que iam visitar o teatro James Burbage, o primeiro teatro de Londres. Apaixonado pelas artes, pouco tempo depois, começou a trabalhar nos bastidores do local.

Quem reinava nesse período era a monarca Elizabeth I e Londres vivia uma intensa fases artística e cultural. Então, Shakespeare estudou e leu todos os clássicos autores, crônicas e contos que foram fundamentais para sua formação como dramaturgo.

O início de sua carreira como autor e escritor se deu quando ele exercia os ofícios de copista oficial da companhia e outros pequenos papeis no palco. Já em 1589, ele adaptava peças de autores anônimos e escrevia o maior número de peças apresentadas no Globe Theatre. Fez tanto sucesso que, mesmo com a contaminação pela peste negra que assolava o mundo e se tornava um poderoso obstáculo no mercado de entretenimento, Shakespeare continuava se destacando no período como ator e dramaturgo.

A arte de Shakespeare é composta por 37 obras teatrais, 2 longos poemas e 154 sonetos, além de vários trechos em versos.

Suas peças constam de 17 comédias, 10 dramas e 10 tragédias que retratam a sociedade inglesa durante três séculos de evolução.

Uma de suas obras mais conhecidas no mundo é “Romeu e Julieta”, que se destacou na época por representar e personificar o amor irrealizado, com um final trágico e incomum.

“Hamlet” sua obra mais filosófica, também conhecida pela famigerada frase “ser ou não ser: eis a questão”, não ficou para trás em termos de sucesso. Nela, Shakespeare conseguiu incluir todos os valores da Renascença e da condição humana e os questiona com muita propriedade. Por conta da tragédia e desespero causados pela dúvida, William conseguiu fazer com que a peça fosse considerada a mais enigmática do autor.

De 1603 a 1610, também conhecido como a segunda fase do autor, ele passou a escrever comédias amargas, um verdadeiro humor negro, e tragédias grandiosas. Outro evento que marcou sua vida foi o fato de ainda nesse período ter se tornado um dos sócios do Globe Theatre.

“Macbeth” é considerada a obra mais trágica do escritor inglês, porque representa a ambição e o remorso. Em 1611, depois de acumular alguma fortuna, Shakespeare retira-se para Stratford- Upon- Avon, onde nasceu e possuía casas e terrenos. Lá, passou a escrever suas últimas peças. Coincidentemente, em 23 de abril de 1616, data do seu aniversário, William Shakespeare morre, pouco tempo depois de ter feito seu testamento.

Shakespeare é considerado o maior dramaturgo da literatura universal, por conta de seu personagens complexamente construídos e humanizados, a dinâmica de suas peças e seus versos extremamente ricos.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários