Mário Frias critica Museu da Língua Portuguesa por usar termo neutro “todes”: “Usam dinheiro público federal para piruetas ideológicas”

O secretário especial da Cultura, Mario Frias, criticou a postura do Museu da Língua Portuguesa que usou o pronome neutro “todes” nas redes sociais oficiais da instituição.

- O Governo Federal investiu R$ 56 milhões nas obras do Museu da Língua Portuguesa, para preservarmos o nosso patrimônio cultural, que depende da preservação da nossa língua. Não aceitarei que esse investimento sirva para que agentes públicos brinquem de revolução - disparou Frias no Twitter.

E acrescentou:

- Tomarei medidas para impedir que usem o dinheiro público federal para suas piruetas ideológicas. Se o governo paulista se comporta como militante, vandalizando nossa cultura. Não o fará com verba federal - avisou.

O Museu da Língua Portuguesa, instituição que tem a guarda da perfeita escrita e ensino do idioma oficial do Brasil, polemizou ao adotar a escrita do pronome neutro (sem gênero feminino ou masculino) em seus perfis nas redes sociais. Em 12 de julho, a entidade fez um post em que aparece escrito o termo “todes”, apesar de ele ser inexistente nas normas oficiais do país.

- Nesta nova fase do MLP, a vírgula – uma pausa ligeira, respiro – representa o recomeço de um espaço aberto à reflexão, inclusão e um chamamento para todas, todos e todes os falantes, ou não, do nosso idioma: venham, voltamos - dizia a publicação.

Atento, Mario Frias também foi às redes afirmar que a Secretaria de Cultura do Governo Bolsonaro era contra a postagem, após investimento de milhões de reais da União na reforma do museu, que pretende continuar sendo a instituição que faz a guarda da língua.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários