A melancólica vida de Vincent van Gogh, um dos pintores mais celebrados de todos os tempos

Vincent Willem van Gogh nasceu, em 30 de março de 1853, em Zundert, na Holanda. Foi um importantíssimo pintor representante da pintura pós-impressionista. Ele e seu pai, um pastor calvinista, moravam em uma pequena vila, onde era conhecido por ser uma criança rebelde e insociável. Por isso, em 1869, ingressou em um internato provinciano.

Aos 16 anos, vai trabalhar em Haia, onde o tio havia aberto uma importante empresa que comerciava obras e livros, a Galeria Goupil. Depois, vai a Bruxelas e se fixa lá apenas por dois anos. Em seguida, viaja a Londres, sempre a serviços da galeria do tio.

Em 1875, consegue transferência para Paris, esperançoso de que iria se libertar de todas as suas frustrações. Porém, em 1876, por indispor-se com clientes, é demitido da Goupil. Desesperado por outro ofício, retorna novamente a Inglaterra, onde aceita o cargo de professor em uma escola primaria de uma pequena cidade local. Em dezembro do mesmo ano, vai para Etten, onde reencontra a família. Contudo, só conseguia se sentir compreendido por Theo, seu irmão mais novo; visto que suas relações familiares eram muito conturbadas.

Por se sentir solitário, van Gogh torna-se depressivo e passa longos períodos de solidão durante a vida; sofrendo graves crises nervosas que o atormentavam bastante. Em 1877, consegue um cargo em uma livraria em Dordrecht. Mas, Vincent, nessa época, almejava seguir os mesmos passos do pai. Então, ingressou no Seminário Teológico da Universidade de Amsterdã.

Mesmo tendo sido reprovado por conta de falta de base na Escola Evangélica de Bruxelas, consegue um cargo de missionário e pregador nas minas de carvão em Borinage, na Bélgica. E, foi, ali, que Vincent perdeu a fé, ao se ver em contato direto com a miserável vida dos trabalhadores; o que provocou ele uma grande crise espiritual, sendo demitido em 1879.

O início de sua carreira como pintor se deu quando em 1880, quando ele vai para Bruxelas estudar anatomia e perspectiva, com o dinheiro que seu irmão enviava. Ele passava o dia desenhando seus esboços e praticando. Sendo assim, um pintor chamado Mauve o acolhe em Haia e, a partir desse acontecimento, começa a reproduzir aquarelas.

Em pouco tempo de carreira, já havia dominado diversas técnicas de pintura, como a óleo e realiza numerosos desenhos e pinturas. Costumava dizer às pessoas:

- Não quero pintar quadros. Quero pintar a vida -

No ano seguinte, van Gogh volta para a casa de seus pais, onde, solitário, passava o dia lendo e pintando. Em março de 1885, seu pai falece, repentinamente, e, no mês seguinte, pinta o famoso quadro “Os Comedores de Batata.” A obra é caracterizada pelas tonalidades escuras e cenário cadenciado.

Em janeiro de 1886, van Gogh realiza uma viagem para Antuérpia, onde inicia estudos na Academia local. Em fevereiro, é acolhido em Paris por seu irmão Theo. Essa é a época mais sociável do pintor. Familiariza-se com os impressionistas, Monet, Renoir e Pissarro. Mais tarde, fica amigo de Gauguin.

A influência dos artistas ajudou van Gogh a criar seu próprio estilo de arte. A mesclagem das pinturas dos outros o ajudaram a desenvolver suas próprias pinceladas separadas e definir suas cores fortes. Em dois anos como pintor, elaborou 200 quadros, entre eles, o “Autorretrato” (1887).

Em 1888, van Gogh por encontra-se com a saúde debilitada, acata ao conselho de Toulouse-Lautrec e vai para o campo. Em fevereiro, está em Arles, pintando ao ar livre.

Naquele ano, Vincent van Gogh pinta suas obras mais importantes, mais de 100 quadros, entre eles: Vista de Arles com Lírios (1888), Girassóis (1888), onde uma única tonalidade é valorizada através das modulações de luz.

Mesmo vivendo na companhia de Gauguin, os dois viviam brigando. Porém, assim que Vincent descobriu que sua amante o traia com o colega, o agride com uma navalha. Pouco tempo depois, arrependido, corta sua orelha e manda em um envelope para Gauguin, como forma de pedir-lhe perdão.

Em maio de 1889, ele mesmo pede ao irmão que o interne. Vai para o Hospital de Saint-Rémy-de-Provance e transforma seu quarto em um ateliê. Produz mais de duzentos quadros e centenas de desenhos, entre eles: “A Noite Estrelada” (1889).

Entristecido com a situação do irmão, Theo pede para que seu amigo Signac visitasse o pintor. O homem sai impressionado com as pinturas de Van Gogh e chama mais alguns amigos para admirá-las. Pouco tempo depois, o jornal “Mercúrio”, de França, faz elogios ao pintor e logo uma exposição na galeria de Bruxelas é organizada. Entretanto, apenas um quadro é vendido: “A Vinha Vermelha”. Essa foi a única obra vendida durante toda a vida do pintor.

Vincent van Gogh deixa Saint-Rémy, em maio de 1890. Vai para Auvers, sob os cuidados do Dr. Gachet que o examina e diz que a situação é grave. Mesmo gravemente doente, van Gogh pinta mais de 200 desenhos e mais de 40 quadros.

Depois de uma vida atormentada que o levou ao isolamento e, finalmente, ao suicídio. No dia 27 de julho, van Gogh sai para o campo de trigo com um revólver na mão e se dá um tiro no peito, sendo socorrido, mas não resiste.

A fama só veio após sua morte. Grande parte de sua história está descrita nas 750 cartas que escreveu para seu irmão Theo e que evidenciam o forte laço entre os dois.

Vincent van Gogh morreu em Auvers, França, em 29 de julho de 1890.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários