Medida provisória vai libertar os empreendedores e facilitar a formalização das empresas

O Senado Federal aprovou, na quarta-feira (4), uma medida provisória que busca melhorar o ambiente de negócios no Brasil. Com a MP, mais de 40 mudanças serão instituídas, entre elas: o fim da exigência para comprovação de endereço da empresa durante o processo de registro.

Além disso, haverá maior facilidade para instalação de energia elétrica nos locais necessários, com até 45 dias para a adequação, e melhora na execução de contratos.

- Hoje, a Receita Federal chega em uma empresa, com boa vontade até, mas o auditor entende que determinadas normas subjetivas não estão sendo cumpridas, vai outro fiscal acha que estão corretas, aí a empresa é multada e isso judicializa. O governo vai ter que se adequar a isso e em quatro anos qualquer norma que não seja objetiva não poderá ser aplicada. Isso é uma libertação fantástica, reduz a insegurança jurídica e liberta os empreendedores. O empreendedor está sendo libertado com a nova lei do ambiente de negócios - explicou o Secretário Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa.

A nova medida deve melhorar o Custo Brasil e a posição do país no ranking de ambiente de negócios do Banco Mundial, reduzindo encargos burocráticos e trabalhistas.

- O maior item individual é contratar pessoas, é muito caro, burocrático. Estamos trabalhando para reduzir o ônus de impostos sobre o fator trabalho, para que o emprego aumente. Precisamos aumentar o emprego, seja porque aumenta o emprego por carteira assinada, mas também a ocupação das pessoas. Acho fantástico ver histórias de pessoas como de senhora que ganhavam um salário mínimo, começou a vender bolos e está ganhando três vezes mais. O Brasil é o país dos empreendedores, sempre foi desde a nossa origem, e precisamos ajudar para que eles floresçam, ajudar o pequeno empreendedor que é criativo, que não tenha medo de trabalhar - concluiu.

A expectativa é que o Brasil salte 20 posições no ranking, chegando ao 90º lugar no relatório.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários