PEC do voto auditável vai ao plenário da Câmara: “Não há nada mais livre, amplo e representativo do que deixar o plenário manifestar-se”, diz Lira

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), anunciou, nesta sexta-feira (6), que levará a PEC do voto impresso para o plenário da Casa decidir se rejeita ou aprova a proposta de autoria da deputada federal, presidente do CCJ e procuradora aposentada, Bia Kicis (PSL-DF).

Na segunda-feira (9), haverá reunião com líderes de partidos para definir os detalhes da tramitação.

Lira disse que esta será uma oportunidade única para que o plenário dê o seu parecer “inquestionável e supremo” sobre a proposta; já que a Comissão Especial – organizada para avaliar o tema – não tem poder de decisão sobre ele, apenas opinião.

- O plenário será o juiz desta disputa que, infelizmente, já foi longe demais - disse.

E acrescentou:

- Estou atento 24 horas, todo o tempo. Quero deixar claro que seguirei pelo caminho da institucionalidade, da democracia - explicou.
- O plenário será o juiz desta disputa que, infelizmente, já foi longe demais - disse.
- Para quem fala que a democracia está em risco, não há nada mais livre, amplo e representativo do que deixar o plenário manifestar-se. Só assim teremos uma decisão inquestionável e suprema, porque o plenário é a nossa alçada máxima de decisão, a expressão da democracia e vamos deixá-lo decidir. Esta será a minha decisão - disse.

Na comissão especial, votaram a favor da impressão do voto eletrônico para posterior auditagem, caso seja necessária: PSL, PP, Republicanos, PTB, PSC e Podemos.

Foram contrários à auditagem: PT, PL, PSD, MDB, PSDB, PSB, DEM, Solidariedade, PSOL, PCdoB, PV, Rede, PDT, Patriota e Novo.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários