Idosos têm mais medo de não ter dinheiro para se sustentar do que da solidão

A solidão, muito temida no passado, hoje, já não é mais o maior medo dos idosos no Brasil. O que deixa os velhinhos apavorados, atualmente, é não ter dinheiro para se sustentar e ficar dependente de terceiros para sobreviver. Pelo menos foi o que apontou uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offer Wise.

A maior parte dos entrevistados, 42%, têm medo de ficar doente e depender de terceiros para tudo. Já 31% apontaram o temor de ficar sem dinheiro para o próprio sustento como a segunda maior causa de preocupações.

Confira a tabela dos temores, abaixo:

• 27% de não ter saúde física;

• 25% de perder as pessoas que amam; e

• 20% de não se sentir útil (20%).

O levantamento mostra também que:

• 33% dos idosos pretendem aproveitar a vida com familiares;

• 25% querem fazer um tratamento odontológico;

• 24% pretendem viajar pelo Brasil; e

• 23% planejam trabalhar.

Apesar de todos os medos, os idosos, numa escala de zero a 10, deram média 7 para o grau de felicidade atual. Entre as classes A/B, a nota média sobre para 8.

Um dado interessante que a pesquisa destacou é que a internet virou lazer na pandemia. 60% dos idosos navegaram na rede como opção para se distrair no período de isolamento social. Na sequência aparecem:

• Assistir televisão (56%);

• Ouvir música (41%);

• Ler livros (38%); e

• Fazer caminhada ou corrida (31%).

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários