Tonya Harding: da genialidade à loucura

Tonya Maxene Harding, nasceu em 2 de novembro de 1970, em Portland, Oregon, Estados Unidos. Ela é ex-patinadora artística e boxeadora americana. Disputou duas vezes os Jogos Olímpicos e foi o 1º lugar no Campeonato Nacional Americano. Além de ter sido medalha de prata no Mundial de 1991.

Talentosa e determinada, Tonya destacou-se por sua força atlética e por ser a segunda mulher e a primeira americana a conseguir realizar o salto triplo axel, um dos mais complicados do esporte.

Apesar de brilhante na patinação, a infância de Tonya não foi lá grande coisa. A família da patinadora tinha recursos mais que escassos e não podia dar à menina um bom desenvolvimento. Mas, nada que a mãe da atleta não resolvesse. Percebendo que a filha tinha talento para o esporte, LaVona Golden, frequentemente, pressionava a criança para ser sempre a melhor e, assim, Harding teve seu primeiro contato com a pista de gelo aos três anos de idade.

Mesmo desde cedo demonstrando aptidão para a patinação, os abusos em casa não paravam. Nenhum esforço era o suficiente para sua mãe e a agressividade no seio familiar começou a fazer parte da rotina de Harding.

- Ela dizia que eu era gorda e feia. Me batia com uma escova de cabelo e cabide na frente de todos - disse, Tonya, em entrevista de 2009 à Oprah.

Acostumada à violência doméstica, Tonya levou o hábito para sua vida amorosa. Em 1990, ela casa-se com Jeff Gillooly, aos 20 anos de idade. De acordo com a versão dela, seu marido era manipulador e a violentava verbalmente, fisicamente e psicologicamente. E, mesmo com ordem de restrição, o homem não obedecia às limitações.

Com tantos trágicos acontecimentos ocorrendo em sua vida, em 1994, ela foi ao fundo do poço em um famoso episódio jamais repetido por outra patinadora. Naquele ano, Nancy Kerringan, uma das maiores rivais de Tonya, havia sido atacada após o treino com uma barra de metal; fazendo com que Harding fosse a maior suspeita do crime.

As investigações apontaram que um dos maiores dramas da patinação artística teve uma trama macabra arquitetada. O ex-marido abusivo de Tonya, Gillooly, e seu guarda-costa, Shawn Eckhardt, contrataram Shane Stant para executar o ataque à concorrente e triá-la das Olimpíadas de Inverno daquele ano. Porém, a ação foi mal executada. Nancy conseguiu participar da competição e a conspiração foi revelada.

Mesmo alegando que não teve envolvimento no crime, pegou mal para Harding que os executores fossem todos do seu convívio íntimo e particular. Assim, ela foi tida como a “vilã” da história e a vida dela nunca mais foi a mesma. A carreira da patinadora de Portland acabou com o mesmo ímpeto que ela entrou para o esporte e, até os dias de hoje, não é possível determinar sua colaboração no crime.

Como consequência do plano diabólico, ela foi banida da patinação artística e tentou migrar para o boxe, mas não teve êxito no esporte.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários