VÍDEO: Talibã recebe ajuda da Rússia, parlamento britânico e membros da ONU para tomar poder no Afeganistão

As forças do Talibã têm tomado conta de várias cidades e regiões, desde que as tropas americanas deixaram o país. O presidente Joe Biden, recentemente, disse para a população civil e pobre do Afeganistão que “lutassem por eles mesmos”. As forças armadas dos Estados Unidos têm até o dia 11 de setembro para abandonar, definitivamente, o front de batalha.

Em tempos de outros presidentes, como Donald Trump, o exército americano era mantido no Afeganistão como forma de ajudar o governo do país a impedir que o Talibã tomasse o poder. Mas, na gestão de Biden, ele retirou o apoio e a população civil é a que mais sofre com isso, principalmente, as mulheres, que são obrigadas a obedecer às leis rígidas do Talibã, como o impedimento de trabalhar fora. Mas, muitas delas perderam os maridos e precisam se sustentar.

O ministro do Interior do Afeganistão, Abdul Sattar Mirzakwlal, gravou um vídeo tentando tranquilizar a população. Ele disse que o Talibã, de fato, já cercou a capital Cabul e mais dezenas de províncias. Por conta disso, o Governo sabe que terá que fazer “uma transferência pacífica para um governo de transição”.

Um porta-voz do Talibã escreveu, no Twitter, que, enquanto a “transição” é feita, o Governo do Afeganistão tem que manter a segurança.

- Até a finalização do processo de transição, a responsabilidade da segurança de Cabul está com o lado de lá - afirmou o porta-voz do Talibã.

O presidente do país, Ashraf Ghani, ainda está no palácio presidencial junto à primeira-dama. Enquanto isso, o Talibã ganha apoio da Rússia, de membros das Nações Unidas e do parlamento britânico. Eles, inclusive, se reunião nesta semana para auxiliar o Talibã na tomada do poder.

Milhares de pessoas já deixaram o país com medo de represálias.

Assista:

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários