Vereadora negra de SP diz: “Temos uma geração de mimizentos”

Sonaira Fernandes (Patriotas), vereadora de São Paulo, concedeu entrevista ao Portal Metrópoles durante a qual falou, entre outros assuntos, sobre ideologia de gênero, pautas conservadoras e oposição ao Governo de João Doria (PSDB).

Ela revelou que os colegas parlamentares tendem a agir com grosseria, ironia e rispidez quando os temas são conservadores e que já desce para o plenário pensando: “vou apanhar”.

- Meu primeiro discurso aqui, na Câmara, quando eu disse que vivemos uma geração capada pelo politicamente correto e que nós temos uma geração de “mimizentos”. Nós temos uma geração de homens cada vez mais femininos, e mulheres cada vez mais masculinizadas. Isso gerou uma grande confusão. Me chamaram de homofóbica. Então, hoje, tudo que você diz é homofobia. Hoje, você pode fazer piada com a minha fé, piada com o Deus que eu acredito, mas eu não posso falar o óbvio porque isso é preconceito e homofobia - lamentou.

Sobre ser uma das únicas vereadoras contra o ensino da ideologia de gênero nas escolas, projeto de lei de Eduardo Suplicy (PT), ela disse:

- Esse projeto já teria meu veto de qualquer forma. Mas, quando coloca ali, a ideologia de gênero no ensino, é realmente uma forma de entrar nas escolas com esse assunto. É perigoso, sim... Não estamos aqui contando história... É real - explica.

Sonaira também denunciou que muitos parlamentares se elegem “em cima” de bandeiras conservadoras para, em seguida, abandoná-las.

- Ainda temos carência de representantes que, após chegar aqui, entendam que precisamos continuar e fortalecer. Ainda somos pequenos em relação aos nossos adversários. As pessoas que estão na política que defendem a família, a fé, precisam entender isso. Eu gostaria que as pessoas que defendem a fé pudessem ficar uma semana aqui dentro - avalia.

A parlamentar disse que acredita na reeleição do presidente Jair Bolsonaro, apesar da Câmara dos Deputados Federais ter rejeitado a impressão do voto eletrônico.

- Eu acredito na eleição do Bolsonaro em 2022. Acho que o voto impresso não irá impedir a vontade do povo e a vontade de Deus sobre a vida do Bolsonaro - finalizou.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários