TSE manda bloquear 11 perfis de apoiadores do Governo Bolsonaro

O ministro Luís Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), comandado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso, determinou o bloqueio de dinheiro pago pelas redes sociais a canais, páginas e sites que de direita, que apoiam o presidente Jair Bolsonaro.

O TSE afirma que as críticas desses perfis às urnas eletrônicas e ao sistema de votação brasileiro são infundadas e merecem ser penalizadas.

No despacho, Salomão alegou que ‘’o direito de crítica, de protesto, de discordância e de livre circulação de ideias, embora inseparável do regime democrático, encontra limitações, por exemplo, na divulgação de informações e dados enviesados ou falsos, ou, ainda, no que se convencionou denominar como desinformação’’.

A verba ficará indisponível até a conclusão das investigações. Os canais, porém, continuarão no ar trabalhando sem receber. Facebook, Instagram, Twitch.TV, Twitter e YouTube foram intimados a depositar em conta judicial o dinheiro que ia para os canais conservadores e de direita. Nenhum site de esquerda tem sido vinculado ao inquéiro das Fake News.

Ao menos, 11 apoiadores do presidente Bolsonaro devem ser afetados com a decisão. Entre eles, estão:

Alberto Junio da Silva, “O Giro de Notícias”, com 1,26 milhão de inscritos no YouTube;

Emerson Teixeira de Andrade, “O Professor Opressor”, com 132 mil inscritos no YouTube;

Folha Política, com 2,5 milhões de inscritos no YouTube;

Roberto Boni, “Canal Universo”, com 483 mil inscritos no YouTube;

Jornal da Cidade Online;

Alan Lopes, no Twitter;

Camila Abdo;

Allan dos Santos, “Terça Livre”;

Bárbara Zambaldini, "Te Atualizei",

Entre outros.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários