VÍDEO: Jornalista da CNN, que defendeu Talibã e os descreveu como “amigáveis”, foge do Afeganistão

A correspondente internacional da CNN, Clarissa Ward, nunca tinha ficado tão conhecida no noticiário mundial quando, no momento, em que chamou os integrantes do Talibã de “amigáveis”, na segunda-feira (16).

Ela fazia a cobertura da tomada de poder no Afeganistão pelo grupo extremista e, enquanto eles gritavam atrás dela “Morte à América”, a jornalista, inexplicavelmente, diz:

– Eles gritam “Morte à América”, mas parecem amigáveis ao mesmo tempo; é bizarro – declarou.

Menos de 48 horas depois de ter elogiado os seus algozes, a repórter foi surpreendida por um combatente do Talibã durante a reportagem e recebeu uma ordem que ela deveria cumprir imediatamente sob pena de represálias: cobrir o próprio rosto com o véu.

– Ele me disse para cobrir o rosto. Mas, ele não quer fazer nenhum comentário sobre o que ele está carregando – disse Clarissa, ao insinuar que, caso não colocasse o artigo, seria alvejada ali mesmo, em frente às câmeras. NO momento da abordagem, ela detalhava as dificuldades que as pessoas precisam passar para ir até o aeroporto de Cabul.

Não satisfeito o primeiro integrante, um segundo grupo armado veio ao encontro da equipe da CNN que, então, decidiu deixar o local.

Na sexta-feira (20), a equipe da CNN deixou o país em um avião dos Estados Unidos com mais 300 refugiados.

Clarissa Ward comemorou a saída do Afeganistão e disse:

– Acabei de pousar em Doha com a equipe e quase 300 refugiados afegãos. Muito obrigado a todos por seu apoio e preocupação, à Força Aérea dos EUA por nos levar e ao Qatar por nos receber. Nós somos os sortudos – escreveu no Twitter.

Assista:

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários